domingo, 13 de abril de 2008

Estrella Morente - Auditório dos Oceanos

Não conheci a artista pelo Volver, de Almodóvar. Antes disso, já a L., aficionada como é por flamenco, já me tinha falado desta cantaora. Tudo porque o seu segundo álbum (Calle del Aire) é um álbum de música de Natal. E como gosto bastante dessa época do ano...

Nunca tinha sido fã de flamenco. E penso que ainda não sou. Por enquanto.

Mas sou certamente fã de Estrella Morente.

Sem tiques de vedeta - usou o mesmo vestido com que se apresentara em Junho de 2007, no CCB; uma interpretação sentida e brilhante, que ninguém poderia supor os seus apenas 26 anos; o companheirismo e humildade com que tratou os restantes músicos; a reverência com que nos quis cantar a Canção do Mar - melhor cantada que pela cantora original, sem pejo de mostrar que não sabia a letra; a candura com que no final reparou na beleza da iluminação da sala, que parecia um céu estrelado.

Em duas horas, passei pelas lágrimas - Nostalgias, desta vez sem piano; ao riso, pelo salero de Estrella - esperamos que da próxima baile ainda mais!

E que cante este poema, com que novamente nos brindou, no seu próximo álbum.


“LA ESTRELLA”
Si yo encontrara la estrella
Que me guiara
Yo la metería muy dentro de mi pecho
Y la venerara
Si encontrara el camino que me alumbrara.
Como relámpago de fuego fuiste
que en mi sentimientos entraste
dejaste encendido el fuego
y entre llamas me dejaste.
Estrella llévame a un mundo,
Con más verdades, con menos odio,
Con más clemencias y más piedades.
Remontaremos las nubes negras
Que nos engañan, que nos acechan
Abriremos un mundo nuevo,
Sin fusiles ni veneno.
Si yo encontrara la estrella
Que me guiara
Yo la metería muy dentro de mi pecho
Y la venerara
Si encontrara el camino que me alumbrara.
Estrella si te encontrara
Me darías tu la fuerza
Que necesito para vivir, en este mundo,
De confusiones, de misiles y de ladrones.
Yo también te llevaría por caminos y por montes
Montes que alumbran
Campos de amores, campos de luz de corazones.
Si yo encontrara la estrella
Que me guiara
Yo la metería muy dentro de mi pecho
Y la venerara
Si encontrara el camino que me alumbrara.

3 comentários:

av disse...

Olá, Pedro. Eu, pelo contrário, sou uma incondicional fã de flamenco. Há muitos anos. E já vi uma boa parte dos "grandes" do flamenco em actuações brilhantes, tanto cá como em Madrid ou Sevilha. Nunca vi Estrella Morente ao vivo, mas o seu post despertou-me a curiosidade. Vou ficar atenta.

cora disse...

Lindo poema, belíssima voz... e o flamenco, seja atraves do Almodovar ou do Saura, sempre me envolveu sobremaneira quando somado às tramas românticas e dramáticas... Belíssima escolha, adorei o post! E olha... Muito obrigada Pedro pelo teu carinho no meu post sobre a Maggy... Graças a Deus sobreviveu às 48hs críticas e se recupera. Foste um krido. beijos.

Pedro disse...

Cara Av:

Fico contente com o seu comentário. Assim que vier novamente a Portugal, eu publicito! ;)


Cara Cora: que bom que a Maggy está melhor, espero que se recomponha rapidamente!