sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Os amigos

Há dias que começam especialmente bem. Outros, ainda melhor. Quando o carteiro toca duas vezes e nos deixa um embrulho. Este. Porque nunca ninguém tinha feito nada assim. Obrigado!


Les amoureux de la Bastilles. 1957 @Willy Ronis/ Agence Rapho



Os Amigos



Esses estranhos que nós amamos
e nos amam
olhamos para eles e são sempre
adolescentes, assustados e sós
sem nenhum sentido prático
sem grande noção da ameaça ou da renúncia
que sobre a luz incide
descuidados e intensos no seu exagero
de temporalidade pura.


Um dia acordamos tristes da sua tristeza
pois o furtuito significado dos campos
explica por outras palavras
aquilo que tornava os olhos incomparáveis.


Mas a impressão maior é a da alegria
de uma maneira que nem se consegue
por isso ténue, misteriosa:
talvez seja assim todo o amor.

José Tolentino de Mendonça

(A banda sonora teria de ser o final do III Acto do Il Trovatore mas, com esta fotografia, acho que esta música será a mais adequada.)

Yan Tiersen - Comptine d'une autre eté l'après midi