domingo, 14 de fevereiro de 2010

É por estas e por outras que não caso, que ninguém está para me aturar

Quem me conhece, sabe bem quanto eu detesto cenas românticas na vida real. Nomes queridos tais como lindo e amor fazem-me revirar os olhos (fofinho é mesmo para partir para a estalada); demonstração de afecto em público (nisso, sou como os ingleses, em público só de demonstra efecto por cães e cavalos)* ursinhos, bombozinhos e florinhas - em suma, toda aquela piroseira do Dia dos Namorados deixam-me a pontos de vomitar.
Mas devo dizer que este ano era o que apetecia. Porque nunca tive nada parecido (thank God!). E porque sei que não vou ter.

*faz-me lembrar aquela história que me aconteceu na semana passada. Domingo (dia oficial de trombas), como se não bastasse chovia e eu tinha de me enfiar num Centro Comercial. No autocarro, no banco à minha frente, mas do outro lado, um casal de namorados. Os vidros embaciados (que é uma coisa que me mete bastante nojo, os vidros já de si nunca devem ser limpos e saber que aquela humidade toda já passou por certos e determinados aparelhos respiratórios não me deixa sossegado). Eis senão quando, quando a rapariga vá de desenhar um coração (apaixonado?) à volta do seu nome e do seu mais que tudo. Valeu-me a gargalhada do dia (acho que da semana também).

3 comentários:

ameixa seca disse...

Já somos dois, junta-te ao clube. Solteira e boa rapariga (às vezes) é o que está a dar :)

Carrie disse...

é isso mesmo ameixa....eu assino em baixo...

Carrie

ps: acho que ninguem admite gostar de lamechice e toda a gente odeia abertamente o dia dos namorados...
depois...no anonimato das suas casas é troca de presentes e nick names todos queridos...bombons em forma de coração e muitos bjinhos...ai ai...

eu sou igual...

mjoaob disse...

Há exageros. muitos! farto-me, de os ver, e quando mais idade têm pior.
É caprichar nos mimos mas de bom tom, que isso toda a gente gosta e muita merece.
:)