segunda-feira, 17 de março de 2014

Há uma linha que separa e pelos piores motivos

Quando se deu baixa do serviço de televisão à ZON, do qual a Avó era assinante, a funcionária teve a distinta lata, certamente por ordens superiores, de perguntar se não queria transferir a assinatura para um outro indivíduo. 
Teve sorte. Não fui eu que tratei da questão, porque certamente teria dito que sim. "Para a p*ta que a p*ariu."
Quando contei este episódio num grupo de amigos, um deles confessou que, também por porte da Avó, a operadora de telemóvel teimava era necessário transferir a fidelização para outra pessoa, visto que a mesma não tinha caducado (embora caduque automaticamente com a morte do assinante do serviço).

Bem sei que poderia ser uma situação onde houvesse mais gente a habitar a mesma residência, etc. No entanto, a partir do momento em que se vai pedir para rescindir  contrato por morte do assinante, é porque não se está mais interessado nele. Por isso, pergunto-me se é este o tipo de sensibilidade que reina neste tipo de serviços, onde a lógica de fazer dinheiro é completamente insensível a quem está do outro lado. Definitivamente, ZON nunca mais.

(sim, claro que já seguiu email com reclamação, obviamente que sem identificação da funcionária, que faz tudo para manter o seu emprego e com a qual vão desculpar-se, vai uma aposta?)

5 comentários:

O Peru Ressabiado disse...

É politica da empresa, todo o discurso dos operadores é pré-formatado e são penalizados se não cumprirem.

A Chata disse...

Tenho o pior a dizer da MEO. Agora estou com a Vodafone. Vamos ver...

Anónimo disse...

trabalho na linha de apoio técnico da mesma empresa e o que diz o peru ressabiado é verdade. não são os operadores que têm essas brilhantes ideias, é a empresa. o funcionário é penalizado se não seguir os processos que são estipulados mesmo que não concorde com eles. eu já perdi prémios por tentar facilitar a vida aos clientes, tentando contornar certas regras. e sinceramente, não há nada pior do que ouvir um cliente furioso e ameaçar fazer reclamação da nossa pessoa ou chamar-nos incompetentes quando nada tem a ver connosco. tenho a certeza que falo por quase todos os operadores que se fosse por vontade nossa, fazíamos tudo só para calar o cliente. ah! e também já trabalhei na a pt/meo e devo dizer que o tratamento ao cliente é mil vezes piores, eles sim só pensam em fazer dinheiro. imagine-se que eu fui dispensada porque trabalhava na linha de facturação e era obrigada no final de todos os contactos abordar uma venda, quer fosse uma blm ou um tarifário superior. acho, que devias ponderar melhor essa reclamação.

Namorado P.S. disse...

Acho que é tudo a mesma coisa Pedro. Andaram todos na mesma escola.

Pedro disse...

Sim, foi com a ZON, como poderia ter sido com outra qualquer. Mas foi a ZON e não outra qualquer.
Não tenho dúvidas que a funcionária apenas cumpriu ordens superiores, foi certamente essa a formação que recebeu.
É por essa razão que, ao ter feito a minha reclamação, enviada antes de ter escrito este post, não coloquei em causa o profissionalismo da funcionária, nem tão pouco a identifiquei.
Penso é ter de haver por parte da empresa uma boa política de sensibilidade, que não tem.