quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Não percebo

o preconceito contra a chamada conversa de taxista. Experimentem almoçar um dia (basta um) numa cantina de um qualquer serviço público para verem o que é bom. Fossem pérolas e tinha fiadas até aos pés.

2 comentários:

Tulipa disse...

ah pois é! eu não tenho preconceito contra conversa de taxista feita por taxistas, mas sim feita por quem não conduz taxis.

LittleGirlBlue disse...

bom bom é almoçar todos os dias num bar em que na mesa ao lado há sempre, pelo menos, 3 médicos, 4 enfermeiros, 6 auxiliares e 2 ou 3 estagiários... as conversas podem tornar-se deveras "indigestivas"...