sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Já dizia a Amália, que o mal era conhecermos os poetas

Não são as caras bonitas, os quadris concupiscentes, os olhares lânguidos, os elogios mais ou menos disfarçados. Nada disso vos faz destacar da massa anónima, por não primar pela originalidade. 

Agora experimentem dar-me poemas, se querem ver o brilho de meus olhos. 


2 comentários:

carmo disse...



"E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais serão os mesmos. E por vezes

encontramos em nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos corpos encontramos

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se evolam tantos anos."

David Mourão Ferreira

Pedro disse...

Gosto muito, obrigado :)