domingo, 3 de outubro de 2010

E para hoje



deixar a segunda parte da consulta, o comprimido da desparasitação. Até agora tem sido sempre o veterinário a dar, mas o ano passado não gostei que tivesse sido dado à pinça (eu percebo que com um gato assanhado que não conheço de lado nenhum, nem eu próprio punha lá as mãozinhas). De forma que este ano achei por bem ser eu próprio a fazê-lo. Como? Pois eu só tinha visto fazer e nos outros parece ser sempre mais simples.
O Diniz deixa fazer tudo, quando não acha muita graça vá de morder (com pouca força, pelo menos ao início). Aquilo que realmente não gosta e grita como se o estivessem a matar, é mesmo o escovar, mesmo sendo com aquelas escovas de silicone. Mas de vez em quando lá tem de ser. As unhas, coisa simples, senta-se no meu colo, costas na minha barriga e ali fica ele. De vez em quando lá mia um pouco, mas nada que um beijo na testa não resolva.
Agora enfiar-lhe um comprimido pelos gasganetes abaixo é que a coisa se complica. Porém, devo dizer que à segunda tentativa a coisa funcionou. A menos que vá encontrar o comprimido por ai algures pelo chão da casa. Estes gatos são matreiros.

5 comentários:

Tulipa disse...

O meu gato era quase impossível, tinha que lhe colocar o comprimido no fundo da garganta, empurrar com o dedo e fechar o focinho até ele fazer o movimento de deglutição e mesmo assim, às vezes, ele forçava o vómito até o comprimido sair...enfim, saudades do meu bicho.

Sofia. disse...

Com o Sushi ainda não tive problemas em relaçao ao comprimido. Fui sempre eu a dá-lo e ele engole-o sem grandes dificuldades. As unhas, enfim... já é um caso mais sério. Tenho de aproveitar as horas em que esta mais sonolento para a coisa resultar. ;)

Pedro disse...

Bem, esta foi a primeira vez, não sei se foi sorte de principiante, mas que seja só uma vez por ano, que é bom sinal :)

Maria disse...

Eu não me canso de dizer isto mas o meu menino é um doce, deixa fazer tudo. Só quando se trata de cortar as unhas das patas traseiras é que reclama. Nunca se assanhou, nunca mordeu, começa é a largar pêlo por tudo quanto é lado porque fica cheio de medo. Às vezes dou por mim a pensar por onde terá andado este meu menino antes de me chegar às mãos e o que lhe terão feito. Bem sei que os animais têm feitios diferentes mas o olhar de gratidão do meu a cada festa que lhe dou, a forma permanentemente constante com que exige estar sempre encostado a mim indicia ali coisas acerca das quais não gosto muito de pensar, não.

Nandita disse...

Comprimidos e gatos são uma combinação explosiva, mas há esperança... se eu os consigo dar sem deixar o gato sem orelhas e sem os donos me olharem chocados, qualquer um o consegue!