quarta-feira, 29 de agosto de 2012

"És o primeiro homem com quem não sinto medo de fazer loucuras"

O bom de nos rodearmos de pessoas mais velhas e com bom gosto, é o de termos mais facilmente acesso a boas e sábias opiniões. 
Não me lembro ao certo que idade tinha quando me recomendaram o Quarteto de Alexandria, de Lawrence Durrel. Tinha seguramente mais de 18 e, aos 23 tentei-o ler pela primeira vez, depois de o ter comprado, podia jurar, na feira do livro (ou será que foi presente de anos?). Às  primeiras vinte páginas de Justine, deixei-o de lado. Porque nós não escolhemos livros, os livros é que nos escolhem a nós. Até há uma semana atrás. Em menos de dez horas, a duração da viagem até São Paulo, percorri as ruas de Alexandria, num tempo em decadência e amores cruzados, num encontro de ocidente com oriente, com Mozart in Egypt como banda sonora.



2 comentários:

mjoaob disse...

bonito

Carla Surpresa disse...

Da mesma maneira que nos rodearmos de bons blogues nos introduz a coisas que provavelmente nos passariam ao lado de outra maneira. Obrigada.